O nosso interesse é “fazer da cooperação bilateral entre Portugal e Moçambique uma dimensão activa e inteligente das suas estratégias”

//O nosso interesse é “fazer da cooperação bilateral entre Portugal e Moçambique uma dimensão activa e inteligente das suas estratégias”

Começou no dia 27, nos arredores de Maputo, a FACIM, a maior e mais importante feira multissectorial de Moçambique, na qual o nosso país está representado através do Pavilhão de Portugal, organizado pela Fundação AIP em parceria com a aicep Portugal Global.

Nele, 24 empresas portuguesas procuram estabelecer novos contactos com vista à expansão dos seus negócios no mercado moçambicano, uma economia em crescimento que tem investido “significativamente na industrialização e diversificação (…) e que tem um posicionamento privilegiado no contexto da África Austral que pode potenciar a nível económico e empresarial”, nas palavras de Jorge Rocha de Matos, Presidente da Fundação AIP, que discursou no jantar da cerimónia de entrega de prémios Tektónica Moçambique.

Evolução do PIB em Moçambique nos últimos 10 anos em USD. Fonte: Banco Mundial.

Com conhecimento no mercado moçambicano há mais de três décadas, a Fundação AIP considera de importância extrema o reforçar das relações bilaterais entre Portugal e Moçambique, um exercício, refere, “em que ambos os países e as suas economias ganham”, considerando, contudo, que o potencial desta relação está muito aquém das suas possibilidades.

A Fundação AIP e as empresas portuguesas e, estou certo, também o governo português e as suas instituições, como a aicep Portugal Global, aqui superiormente representados, até porque são responsáveis por um importante programa de internacionalização, aliás com quem trilhamos conjuntamente este caminho, partilham um sentimento e um interesse comum: fazer da cooperação bilateral, entre Portugal e Moçambique, particularmente a nível económico e empresarial, uma dimensão ativa e inteligente das suas estratégias, catapultando-a para patamares muito superiores aos atuais”, declarou Jorge Rocha de Matos no seu discurso, com a presença do Sr. Ministro da Indústria e Comércio de Moçambique, Ragendra Berta De Sousa, do Sr. Secretário de Estado da Internacionalização de Portugal, Eurico Brilhante Dias e dos expositores e empresários da FACIM.

No contexto da CPLP, permitam-me que o mencione, impõe-se a todos os membros fazer mais e melhor, tirando daí o devido partido num contexto internacional em profunda mudança

Jorge Rocha de Matos , Presidente da Fundação AIP

Com programas direccionados especialmente para a internacionalização que visam apoiar e promover as empresas portuguesas que pretendem iniciar o seu projecto de expansão internacional, a Fundação AIP considera que existe em Portugal muitos recursos que podem ser aproveitados pela indústria moçambicana: “Temos hoje, em Portugal, um número muito significativo de PME’s com capacidade de internacionalização em diversos sectores, incluindo os tecnológicos (…) também essas empresas se devem associar ao desenvolvimento e modernização da economia moçambicana, no contexto de novas plataformas de cooperação.

A Fundação AIP está disponível para se associar directamente a este esforço, em cooperação com as diferentes partes interessadas de Moçambique e Portugal. A própria FACIM pode protagonizar um importante pólo catalisador de um cluster de actividades com capacidade de afirmação a nível regional e internacional

Jorge Rocha de Matos, Fundação AIP

Desde 2011 com empresas portuguesas em Moçambique

A Fundação AIP está desde 2011 com empresas portuguesas no mercado moçambicano. Nesse ano, registou-se a primeira experiência da Fundação AIP em Moçambique, na então MOPOR. Posteriormente, em 2012, a Fundação AIP começou a organizar a Tektónica Moçambique, feira do sector da construção. Em 2016, conjuntamente com a aicep Portugal Global, iniciou-se a organização do Pavilhão de Portugal na FACIM, tendo então a Tektónica Moçambique começado a inserir-se no contexto da feira, a maior e mais importante do país.

2018-08-28T17:01:56+00:00