“O acordo feito entre a União Europeia e o Japão é o maior acordo da UE com um país terceiro”

//“O acordo feito entre a União Europeia e o Japão é o maior acordo da UE com um país terceiro”

O choque cultural é grande mas é necessário ultrapassá-lo”, disse Paulo Ramos, Presidente da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Japonesa (CCILJ), no âmbito do Workshop “Como Fazer Negócios no Japão”, organizado no dia 22 de Maio pela Fundação AIP, em colaboração com a CCILJ, patrocinado pela Euroatla e com o apoio das águas Fonte Viva e de Torres Vedras e Alenquer, capital Europeia do Vinho 2018.

Com a participação de 25 empresas portuguesas interessadas no mercado japonês, Paulo Ramos falou no acordo assinado entre o Japão e a UE, o maior realizado entre a UE e um país terceiro, algo que, na sua opinião “não tem sido suficientemente divulgado em Portugal.” O acordo entre o espaço europeu e o Japão é “bilateral e uma parceria económica. No espaço de 15 anos prevê-se a livre circulação de bens, serviços e pessoas entre a UE e o Japão.”

A Europa é o 2º maior mercado do Japão no Mundo

Paulo Ramos , Presidente da CCILJ

Sobre os produtos mais passíveis de serem exportados para o Japão, o Presidente da CCILJ enumerou sobretudo agro-alimentares, como os lacticínios, carnes e derivados de carnes e vinhos. O mercado japonês, explicou, é muito organizado e auto-regulado mas a vantagem é que o consumidor japonês reconhece a qualidade, “reconhece o produto agro-alimentar de valor acrescentado, o produto reconhecido e certificado e está sempre disposto a pagar mais por isso.” Também Ana Gonçalves, Directora de Negócio da Euroatla, reforçou esta oportunidade de exportação para o mercado japonês: “Existe um espaço muito grande para o alimentar, têxteis, calçado, etc.” Contudo, o tempo de transporte, devido à distância geográfica entre ambos os países, pode revelar-se alargado: Demora algum tempo para a mercadoria chegar ao Japão“, explicou a Directora de Negócio da transitária e representante da COSCO Shipping em Portugal, podendo o transporte ser feito por via aérea ou marítima, esta última utilizada preferencialmente. Isto porque, segundo Ana Gonçalves, “os portos correspondem a 99% do comércio exterior do Japão“.

Este acordo é de extrema importância para o comércio entre os dois países, uma vez que as taxas alfandegárias serão reduzidas, podendo mesmo ser de 0% aquando da entrada em vigor do acordo, para o próximo ano.

Os portos correspondem a 99% do comércio exterior do Japão

Ana Gonçalves, Directora de Negócio da Euroatla

O Japão é uma sociedade marcada por valores fortes. O japonês irá fazer muitas perguntas e será dessa forma que tentará ganhar a confiança do seu interlocutor.

Ana Fernandes, Investigadora da FCSH-UNL

Mais do que barreiras geográficas entre Portugal e Japão, a componente cultural também é um choque, que pode ser encarado como uma dificuldade mas também como uma oportunidade: “Quando chegamos ao Japão, sermos ‘estrangeiros’ é uma enorme vantagem porque os japoneses sabem que nos esforçaremos por nos encaixar na cultura deles”, enalteceu Ana Fernandes, Investigadora CHAM da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa,  rematando com o factor chave da identidade portuguesa: “O ser-se português pode ser um elemento diferenciador, isto porque os japoneses aprendem na escola que os portugueses foram os primeiros a chegar ao Japão”, havendo por isso uma elevada consideração.

Ao procurar investir no Japão, a empresa deve sempre ter em consideração como agir e não agir tendo em conta a matriz cultural e social do Japão. “Negociar no Japão é apenas diferente”, refere a investigadora, aconselhando os presentes a terem atenção a certos aspectos como a maneira de falar e gesticular, a forma como se dirige a um interlocutor japonês e as questões de respeito e confiança que o povo japonês preserva muito, fruto da sua história: “Não se deve gesticular nem interromper, os japoneses ficam muito baralhados com a gesticulação, assim como devemos pedir desculpa por tudo e por nada, é um sinal de respeito.”

No Japão os negócios fazem-se de forma indirecta e evasiva. Não se deve gesticular nem interromper. O japonês fica muito baralhado com a gesticulação. Deve-se também deixar existir momentos de silêncio.

Ana Fernandes, Investigadora da FCSH-UNL
Organização: Colaboração:
Patrocínio:  Apoio:
2018-05-28T17:30:36+00:00