ifrosado01

/Inês Rosado

About Inês Rosado

This author has not yet filled in any details.
So far Inês Rosado has created 24 blog entries.

Já conhece a nova imagem da BTL?

Após sete anos com o mesmo logótipo, a Bolsa de Turismo de Lisboa aposta agora numa nova imagem, que vai de encontro à posição estratégica mais inovadora, contemporânea e dinâmica espelhada por aquela que é a maior feira de Turismo em Portugal.

O desafio foi lançado à Ivity e apresentado hoje, dia 18 de Setembro, na Fundação AIP. A edição de 2019 da BTL – que se realiza de 13 a 17 de Março – terá uma nova imagem, mais moderna e bold, adjectivos utilizados pelo próprio criador da marca, Carlos Coelho e que estão em concordância com o que foi pedido pela direcção da feira.

Desafiámos o Carlos Coelho a fazer alterações no nosso logótipo para que o logo espelhasse, de certa forma, o posicionamento que nós queremos que a BTL tenha, que é um posicionamento mais contemporâneo, mais inovador…” declarou Fátima Vila Maior, Directora da BTL, reiterando ainda que a BTL pode não ser a maior feira de Turismo do Mundo mas que “podemos ser uma das feiras que mais inova no sector do Turismo.”

Carlos Coelho, especialista em design de marcas, considera que uma “marca é a definição de um território” e que o território da BTL funciona enquanto plataforma agregadora de Portugal:

“Onde Portugal se encontra”, refere, tendo sido esse pensamento o fio condutor para reformular a marca BTL, a feira representativa do maior sector da economia portuguesa.

Esta marca é uma marca de encontros“, explica Carlos Coelho “é onde o Norte encontra o Sul, onde a arte antiga encontra a contemporânea, onde os Açores encontram a Madeira… no fundo são encontros múltiplos.”

Dessa forma, a nova imagem da BTL concentra em si os elementos necessários para se adaptar aos diferentes tipos de encontros proporcionados pela feira, podendo ser adaptada aos diferentes destinos – nacionais e internacionais – e aos diferentes sectores presentes na BTL.

Fátima Vila Maior, Directora da BTL, sobre o novo logótipo: 

O antes e o depois do logótipo BTL:

Já conhece a nova imagem da BTL?2018-09-18T14:07:18+00:00

Vintage Festival está de regresso à FIL

“Marcas com História” juntam no mesmo espaço Lamborghini, Harley Davidson, Vigor, entre outras.

De 3 a 7 de Outubro realiza-se a 5ª edição deste festival que pauta pela diversidade de oferta exposicional – veículos emblemáticos, vestuário, acessórios, decoração e artesanato – assim como gastronomia e animação cultural.

Depois de um crescimento de 20% no número de visitantes na última edição do certame, o Vintage aposta, em 2018, num incremento das marcas presentes. As “Marcas com História” mostrarão o seu historial no Vintage Festival e de que forma se reinventaram de geração em geração, sem perder os elementos retro que as caracterizam. Lamborghini, Harley Davidson, Triumph Motos, Indian Motorcycles e Vigor são apenas algumas das marcas emblemáticas que estarão presentes no Vintage Festival, com exemplares actuais de inspiração retro das suas colecções.

Mas não só. Com uma forte aposta nos segmentos de moda e decoração, o Vintage Festival terá uma maior diversidade de oferta e ainda um aumento da programação de animação cultural, com cortes de cabelo e aplicações de maquilhagem ao vivo, desfiles de pin-ups e actuações musicais.

* O Vintage Festival decorre em simultâneo com o SIL – Salão Imobiliário de Portugal, INTERCASALxD – Lisboa Design Show.

Vintage Festival está de regresso à FIL2018-09-13T15:44:50+00:00

Planos para o início de Outubro? A INTERCASA está a chegar à FIL

De 3 a 7 de Outubro, a FIL abre de novo as portas à INTERCASA, a maior feira de decoração em Portugal. Ao longo de mais de 10 mil metros quadrados, serão apresentadas as últimas tendências de Interiores & Exteriores, Remodelação e Tecnologia, num espaço que reúne visitantes, empresas e profissionais do sector.

“Faça da sua casa a melhor casa do mundo” volta a ser o desafio lançado pela INTERCASA, procurando inspirar uma nova forma de viver a casa a partir dos conceitos, sugestões e novidades dadas pelas centenas de marcas expostas. Este ano, uma das novidades prende-se com a associação da designer de interiores Ana Rita Soares como embaixadora desta edição.

Ana Rita Soares, Embaixadora INTERCASA

A INTERCASA é um evento de referência nacional na área da decoração e, como tal, é uma honra surgir como sua Embaixadora. Sinto-o como um grande reconhecimento enquanto profissional de referência no Design em Portugal”, revela Ana Rita Soares. “Mudar casas (e vidas) é mais do que a minha profissão, é a minha grande paixão e motivação, e enquanto profissional e Mulher de desafios, gosto de me envolver em tudo que seja cultura, arte, tendências, e, obviamente, design e decoração de interiores. Só contribui ainda mais para o enriquecimento dos meus projectos e percurso, tal como para minha evolução pessoal”, acrescenta a profissional.

Para além de Ana Rita Soares, outros profissionais irão marcar igualmente presença na Feira e apresentar as suas propostas de decoração. O espaço «Ambientes & Tendências», que será um dos principais pontos a visitar e conhecer, contará com propostas para as diversas divisões da casa, especialmente criadas para a edição deste ano da INTERCASA, de mais de uma dezena de arquitectos, decoradores e designers de interiores. Do quarto de casal ao de criança, passando pelo quarto de banho, sala e escritório, serão apresentadas soluções inovadoras, em linha com as últimas tendências de decoração e bem-estar, e claro tendo em conta a inspiração e estilo de cada um destes profissionais.

Como Embaixadora da INTERCASA 2018, Ana Rita Soares irá igualmente conceber uma divisão neste espaço. Segundo a própria, “Não é um quarto, nem uma sala, nem uma casa de banho, é um espaço para a Mulher e para a manifestação da sua essência feminina.” A designer de interiores convida assim todos os apaixonados pela casa e decoração a visitarem a INTERCASA e o espaço «Ambientes & Tendências».

A complementar a experiência de visita à Feira, os visitantes podem ainda participar em sessões de showcooking no espaço «Be Home Chef», apadrinhado pela segunda vez consecutiva pela Chef Cátia Goarmon, que irá partilhar e dar a degustar receitas que irão reinventar os momentos de reunião à mesa. Outras experiências estão ainda previstas como a realização de workshops variados e direccionados para a área da decoração e do “do it yourself”. O objectivo é enriquecer ao máximo a Experiência INTERCASA e o tempo que os visitantes passam na mesma.

Chef Cátia Goarmon, Embaixadora INTERCASA

INTERCASA 2018 É A PRIMEIRA FEIRA DE DECORAÇÃO CERTIFICADA PELO FENG SHUI EM PORTUGAL

Vanda Boavida, Consultora de Feng Shui

A edição deste ano da INTERCASA, de 3 a 7 de Outubro na FIL, conta com um elemento diferenciador, sendo a primeira feira de decoração certificada pelo Feng Shui, em Portugal. Trata-se igualmente do maior projecto de Feng Shui realizado no país, num total de 10.000 m2 cobertos.

Harmonia e equilíbrio são as palavras de ordem da edição deste ano da INTERCASA. Vanda Boavida, reconhecida consultora e professora de Feng Shui, tendo representado Portugal na Feng Shui Society, em Londres, é a responsável por garantir a sintonia entre os espaços da INTERCASA. A entrada, o espaço comunicação, o lounge e todas as diferentes áreas da INTERCASA serão decoradas de forma favorecer as energias positivas, de acordo com esta arte milenar chinesa com mais de 3.500 anos.

Planos para o início de Outubro? A INTERCASA está a chegar à FIL2018-09-10T09:37:15+00:00

O nosso interesse é “fazer da cooperação bilateral entre Portugal e Moçambique uma dimensão activa e inteligente das suas estratégias”

Começou no dia 27, nos arredores de Maputo, a FACIM, a maior e mais importante feira multissectorial de Moçambique, na qual o nosso país está representado através do Pavilhão de Portugal, organizado pela Fundação AIP em parceria com a aicep Portugal Global.

Nele, 24 empresas portuguesas procuram estabelecer novos contactos com vista à expansão dos seus negócios no mercado moçambicano, uma economia em crescimento que tem investido “significativamente na industrialização e diversificação (…) e que tem um posicionamento privilegiado no contexto da África Austral que pode potenciar a nível económico e empresarial”, nas palavras de Jorge Rocha de Matos, Presidente da Fundação AIP, que discursou no jantar da cerimónia de entrega de prémios Tektónica Moçambique.

Evolução do PIB em Moçambique nos últimos 10 anos em USD. Fonte: Banco Mundial.

Com conhecimento no mercado moçambicano há mais de três décadas, a Fundação AIP considera de importância extrema o reforçar das relações bilaterais entre Portugal e Moçambique, um exercício, refere, “em que ambos os países e as suas economias ganham”, considerando, contudo, que o potencial desta relação está muito aquém das suas possibilidades.

A Fundação AIP e as empresas portuguesas e, estou certo, também o governo português e as suas instituições, como a aicep Portugal Global, aqui superiormente representados, até porque são responsáveis por um importante programa de internacionalização, aliás com quem trilhamos conjuntamente este caminho, partilham um sentimento e um interesse comum: fazer da cooperação bilateral, entre Portugal e Moçambique, particularmente a nível económico e empresarial, uma dimensão ativa e inteligente das suas estratégias, catapultando-a para patamares muito superiores aos atuais”, declarou Jorge Rocha de Matos no seu discurso, com a presença do Sr. Ministro da Indústria e Comércio de Moçambique, Ragendra Berta De Sousa, do Sr. Secretário de Estado da Internacionalização de Portugal, Eurico Brilhante Dias e dos expositores e empresários da FACIM.

No contexto da CPLP, permitam-me que o mencione, impõe-se a todos os membros fazer mais e melhor, tirando daí o devido partido num contexto internacional em profunda mudança

Jorge Rocha de Matos , Presidente da Fundação AIP

Com programas direccionados especialmente para a internacionalização que visam apoiar e promover as empresas portuguesas que pretendem iniciar o seu projecto de expansão internacional, a Fundação AIP considera que existe em Portugal muitos recursos que podem ser aproveitados pela indústria moçambicana: “Temos hoje, em Portugal, um número muito significativo de PME’s com capacidade de internacionalização em diversos sectores, incluindo os tecnológicos (…) também essas empresas se devem associar ao desenvolvimento e modernização da economia moçambicana, no contexto de novas plataformas de cooperação.

A Fundação AIP está disponível para se associar directamente a este esforço, em cooperação com as diferentes partes interessadas de Moçambique e Portugal. A própria FACIM pode protagonizar um importante pólo catalisador de um cluster de actividades com capacidade de afirmação a nível regional e internacional

Jorge Rocha de Matos, Fundação AIP

Desde 2011 com empresas portuguesas em Moçambique

A Fundação AIP está desde 2011 com empresas portuguesas no mercado moçambicano. Nesse ano, registou-se a primeira experiência da Fundação AIP em Moçambique, na então MOPOR. Posteriormente, em 2012, a Fundação AIP começou a organizar a Tektónica Moçambique, feira do sector da construção. Em 2016, conjuntamente com a aicep Portugal Global, iniciou-se a organização do Pavilhão de Portugal na FACIM, tendo então a Tektónica Moçambique começado a inserir-se no contexto da feira, a maior e mais importante do país.

O nosso interesse é “fazer da cooperação bilateral entre Portugal e Moçambique uma dimensão activa e inteligente das suas estratégias”2018-08-28T17:01:56+00:00

Lisboa Design Show (LXD) está de regresso: mais moda e design na FIL de 3 a 7 de Outubro

Se pensarmos em novos estilistas e designers, a plataforma de lançamento por excelência é o Lisboa Design Show (LxD) que, ano após ano, consagra o seu estatuto de maior evento de design nas áreas de moda, produto e interiores. É onde os designers e estilistas convergem e estabelecem contactos e parcerias: os mais experientes e os mais jovens têm no LxD o local ideal para o lançamento de novos projectos e produtos e apresentação de marcas emergentes e startups. De 3 a 7 de Outubro, o LXD regressa à FIL para uma 9ª edição repleta de novidades.

A começar pelas embaixadoras desta edição, um total de seis blogers e digital influencers, verifica-se um interesse crescente do mundo da moda pelo evento. Bárbara Marques, Mariana Machado, Mariana Castro Moreira, Francisca Flores, Pipa Tavares e Felizarda Prazeres identificaram-se com as potencialidades do projecto LxD enquanto evento que reúne anualmente mais de 300 designers e recebe mais de 55,000 potenciais compradores.

Exposição, pitches, conferências, desfiles de moda, nada disso falta no LxD. Para esta edição, apostou-se num aumento qualitativo dos produtos em exposição, sendo que são os desfiles de moda o ponto alto do evento: o TRENDS LXD e o África Fashion mostram ao público e aos profissionais que visitam este Design Market os produtos inovadores e irreverentes dos designers portugueses e africanos, respectivamente.

Também nesta 9ª edição e porque o cariz solidário está cada vez mais presente no LxD (o ano passado, estiveram no evento várias voluntárias a fazer vestidos para o projecto Dress a Girl Around the World – Portugal), o Lisboa Design Show aliou-se à instituição Corações com Coroa, organização sem fins lucrativos dedicada a apoiar a inclusão social de pessoas em situações de vulnerabilidade, risco ou pobreza, doando 1€ por bilhete à causa.

O LxD destaca-se anualmente pela sua capacidade de alavancar novos talentos, servindo-lhes como o espaço certo para desenvolverem novos projectos e conceitos num ambiente onde se respira moda e design.

Lisboa Design Show (LXD) está de regresso: mais moda e design na FIL de 3 a 7 de Outubro2018-08-16T10:28:30+00:00

Está a chegar a FIA Lisboa: o maior encontro de culturas da Península Ibérica

De 23 de Junho a 1 de Julho, decorre na FIL a maior feira multicultural da Península Ibérica, que comemora a sua 31ª edição, sempre preservando a sua identidade característica. Na FIA Lisboa – Feira Internacional do Artesanato, este ano com 650 expositores, mais de 40 países representados e muito artesanato e gastronomia a marcar presença, o visitante pode experienciar uma verdadeira colisão de culturas e assistir em primeira mão arte a ser produzida.

A FIA é isso mesmo: o encontro entre culturas, em paralelo e ao vivo. De um lado temos todo o artesanato português, do outro um pavilhão inteiramente dedicado à cultura de 40 países da América do Sul, África, Ásia e Europa, cujo destaque recai sobre o país convidado, o Reino de Marrocos.

A região de Turismo do Centro é a região nacional convidada da 31ª FIA Lisboa, trazendo consigo a tradição e a tipicidade da zona centro do país, os seus costumes e tradições. Depois de, no ano transacto, a região ter sido assolada pela intempérie dos incêndios, com bravura e determinação tem-se regenerado, com uma aposta forte em dar a conhecer a sua cultura regional.

Para os mais tradicionais e que procuram revisitar a nossa cultura, no Pavilhão de Portugal é possível encontrar um pouco de todo o artesanato típico do país, desde os famosos galos de Barcelos e rendas de bilro, passando pela filigrana, pela olaria, burel e tapetes de arraiolos até aos capotes e cavaquinhos, tudo parte cultural integrante das diferentes regiões do país.

A FIA Lisboa é também o local onde encontra peças únicas que pode usar no seu quotidiano, a preços exclusivos. Biquínis, echarpes, bijuteria no geral, marroquinaria, sedas, cetins, tapetes de todos os tipos… há uma série de objectos que o visitante pode adquirir para si ou para decorar os seus espaços.

No último pavilhão da FIL encontra toda uma variedade de produtos gastronómicos das diferentes regiões do país e os visitantes podem ainda almoçar e jantar em restaurantes regionais dentro da feira!

A gastronomia portuguesa está em destaque, com mais de cinquenta restaurantes, tasquinhas e espaços gourmet, onde em família e com amigos pode saborear as melhores iguarias portuguesas. Sem ter de sair da FIL, pode provar e comprar queijo da serra, deliciar-se com uma sandes de presunto ou de torresmos, sentar-se no restaurante alentejano e comer migas ou francesinhas no restaurante típico do norte, provar as melhores cerejas do país, levar para a família todo o tipo de enchidos da melhor qualidade, isto apenas para enumerar alguma da doçaria regional e pratos típicos de Portugal.

Já o Reino de Marrocos é o país convidado. Com mais de 40 artesãos do país presentes a exercer os seus talentos ao vivo, Marrocos é um país com uma grande riqueza cultural, especialmente para os visitantes apreciadores das artes berberes. Os visitantes terão igualmente a oportunidade de ver in loco uma oficina de artesãos de calçado, assim como um showcooking com direito a degustação, demonstração de pinturas em henna, o ritual do chá, desfiles de moda e um alinhamento musical contínuo, durante todo o certame.

Na FIA Lisboa 2018 será possível assistir a uma convergência entre o tradicional e o contemporâneo. Os criadores portugueses Joana Vasconcelos, Nuno Gama e Filipe Faísca são os autores das peças exclusivas em exposição em “Herança Cultural no Design Contemporâneo”, onde demonstram essa mesma sinergia entre o passado e o futuro das artes, nas suas diferentes áreas. Uma recreação de uma oficina típica portuguesa será montada pelo Arquitecto Nuno Matos Cabral, com peças expostas escolhidas pelo próprio de artesanato tradicional de várias regiões do país.

Actuações de grupos de cavaquinhos, ranchos folclóricos e, pela primeira vez, a presença de cinco Marchas Populares de Lisboa, assistir a trabalhos ao vivo, Workshops de culinária, aprender a fazer peças típicas, entre outras actividades, representa um enriquecimento lúdico e cultural que a FIA Lisboa proporciona de forma ímpar, demonstrativos do espírito festivo e de herança cultural.

No Arraial da FIA Lisboa, os visitantes poderão comer sardinhas e outros petiscos ao mesmo tempo que assistem às actuações de algumas das marchas mais características de Lisboa.

A FIA Lisboa é o local onde pode conhecer um pouco de todo o Mundo sem sair do mesmo sítio. São mais de 31,000 m2 repletos de múltiplas culturas, com peças de artesanato e gastronomia única, a preços exclusivos.

Mais informações sobre a feira aqui.

Está a chegar a FIA Lisboa: o maior encontro de culturas da Península Ibérica2018-06-21T17:09:52+00:00

De 22 a 25 de Agosto, a Tektónica estará com empresas portuguesas na EXPOCAMACOL da Colômbia

Inscrições abertas!

A Fundação AIP volta a marcar presença com a organização da Tektónica/Pavilhão de Portugal na EXPOCAMACOL na Colômbia, de 22 a 25 de Agosto.

Esta é 23ª edição da EXPOCAMACOL – Feira Internacional da Construção, Arquitetura e Design, que se realiza bienalmente na cidade de Medellín, na Plaza Mayor de Convenciones y Exposiciones. Na última edição, esta feira contou com cerca de 450 expositores diretos, 24.000 m2 e quase 60.000 visitantes, entre os quais o Pavilhão de Portugal com cerca de 10 empresas portuguesas presentes.

Porquê procurar investimento no mercado da Colômbia?

A Colômbia prepara-se para ser a segunda maior economia do continente sul americano, saltando do sexto para o terceiro lugar ao nível do PIB.

Os incentivos do Estado fizeram com que a construção se tornasse no setor mais dinâmico da economia.

A Colômbia tem 48 milhões de habitantes, sendo que 55% da população jovem tem menos de 30 anos. É um dos países da actualidade com maior taxa de crescimento e com um significativo aumento de consumo e poder de compra.

Nos últimos anos, tem-se verificado no país um aumento considerável na segurança pública, torna-o um país seguro no que toca ao investimento.

Participe na EXPOCAMACOL, a Feira Internacional da Construção, Arquitectura e Design e marque a sua presença no Pavilhão de Portugal – Tektónica. Para se inscrever preencha o Excel que está neste link e envie para teresa.gouveia@ccl.fil.pt.

Esta acção insere-se no Projecto Conjunto PT2020 nº26537, pelo que as PME consideradas elegíveis serão reembolsadas aquando do encerramento do projecto em cerca de 50% dos custos elegíveis desta iniciativa.

As PME da região de Lisboa serão alvo de cofinanciamento em cerca de 40% dos custos elegíveis. Quanto às regiões autónomas (Açores e Madeira) não se encontram abrangidas por este programas.

De 22 a 25 de Agosto, a Tektónica estará com empresas portuguesas na EXPOCAMACOL da Colômbia2018-06-15T16:00:44+00:00

Sabe porque é que deve investir nos EUA, a maior economia do Mundo?

Realizou-se na passada terça-feira, dia 12, pelas 10h00, na Fundação AIP, o Seminário Como Fazer Negócios: EUA. Desafios e oportunidades, organizado pela Fundação AIP, com a colaboração da Câmara de Comércio Americana em Portugal (AMCHAM), o patrocínio da Euroatla e o apoio das Águas Fonte Viva, Capital Europeia do Vinho 2018 – Torres Vedras e Alenquer e Quina Vinhos.

Com a presença de 60 empresas portuguesas com interesse no mercado americano, Graça Dider, Secretária Geral da Câmara de Comércio Americana, acentuou a pertinência desta acção tendo em conta a visita do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do Primeiro-Ministro, António Costa, aos EUA, visita essa que contou com uma grande recepção por parte da comunidade luso-americana.

Esse é, aliás, um dos factores mais importantes do fomento da relação entre Portugal e EUA: as pessoas. Actualmente, existe cerca de um milhão e meio de portugueses e luso-descendentes nos EUA, uma relação que, na opinião de Graça Didier, não é aproveitada no seu total potencial: “Existem dois tipos de portugueses nos EUA”, explica, “os portugueses que já emigraram há mais tempo, a maioria das ilhas, mas também os novos emigrantes, mais qualificados, muitos deles que trabalham em Sillicon Valley, por exemplo”, ou seja, bons veículos para se perceber como funciona o mercado americano.

➡ EUA são o 5º país de destino das nossas exportações

As ligações económicas entre Portugal e os EUA têm um potencial de crescimento enorme: os EUA são o 5º país de destino das nossas exportações fora da comunidade europeia. Contudo, o valor dessas exportações é muito reduzido, o que até são boas notícias, de acordo com a Secretária Geral da Câmara de Comércio Americana: “significa que há ainda muita oportunidade de volume de exportação.”

O problema prende-se essencialmente com o pouco conhecimento que os americanos têm de Portugal, factor que pode constituir um entrave à exportação. Esta situação tem vindo a esbater-se nos últimos tempos, fruto do reconhecimento cada vez maior não só de figuras ilustres portuguesas, como António Guterres e Cristiano Ronaldo, como também de eventos internacionais de renome, como a Web Summit, e o papel do turismo no nosso país, distinguido com vários títulos a nível mundial. A realidade, realça Graça Didier, é que “depois de visitarem Portugal, os americanos levam consigo uma imagem de excelência do país”.

Assim, porque devem as empresas portuguesas investir nos EUA?

Primeiro, importa realçar que não existe um único mercado dos EUA! Ter este conhecimento intrínseco é muito importante na altura de delinear a estratégia de negócio para se entrar no país. Existem 50 mercados nos EUA. Porquê? Os EUA são um país muito heterogéneo, com culturas, religiões, ideologias e etnias diferentes em todos os estados. Ou seja, todos os 50 estados têm um público diferente. “Não podemos esperar vender botas de cowboy em Nova Iorque como vendemos, por exemplo, no Texas”, explica Graça Didier. Portanto, antes de se pensar em exportar um produto ou serviço para os EUA tem de se pensar para onde se quer exportar.

Outro facto muito importante sobre o mercado dos EUA: a concorrência! O mercado dos EUA, seja em que estado for, é altamente concorrencial, não só interna como também externamente. Assim, as empresas portuguesas interessadas em expandir-se para os EUA têm de ter uma estratégia diferenciador. “Nos EUA não se consegue combater pelo preço, isso não os conquista. Pela inovação, pela qualidade, pelo espírito empreendedor, isso sim!”, refere Graça.

Ana Gonçalves, Directora de Negócios da Euroatla, enumerou os produtos portugueses que mais são exportados para os EUA: produtos minerais e produtos químicos. Referiu igualmente o aumento da exportação de Wood Products como a cortiça (representam 6,3% do volume de exportações), assim como vinhos e papel de impressão.

Sobre o transporte dos produtos, particularmente em solo americano, Ana Gonçalves refere um assunto que está na ordem do dia: a crise dos camionistas nos EUA. “Mais de 70% das mercadorias são transportadas por via rodoviária. Como os camionistas têm de fazer grandes distâncias e passar muitos dias fora de casa, tem existido um aumento das exigências, um aumento da procura e também um aumento dos preços para este serviço”.

Presente neste seminário esteve também José Sanches, da empresa portuguesa Raimundo & Maia, que actualmente exporta para os EUA. “O mercado dos EUA é moroso de se entrar”, confidenciou, corroborando o que a Secretária Geral da Câmara de Comércio Americana, Graça Didier, já havia afirmado sobre o mercado, “ou se tem um produto diferenciador ou uma marca de cliente.” Neste caso específico, a Raimundo e Maia exporta leguminosas enlatadas com um factor diferenciador no mercado dos EUA (que já é corriqueiro em Portugal): as leguminosas estão em frascos de vidro, o que permite ao consumidor ver o que vai comprar. “Estamos presentes em ambas as costas mas a Costa Oeste é mais importante por causa da comunidade latina predominante, que consomem muito o nosso produto.”

“Se for bem trabalhado, [os EUA] é um mercado muito interessante pela sua competitividade”

José Sanches, Raimundo & Maia

A exportação de produtos alimentares de Portugal para os EUA tem crescido exponencialmente desde o último ano. Os vinhos, sobretudo, têm sido objecto de interesse por parte dos americanos, que consomem cada vez mais esta bebida.

➡ As vantagens e desvantagens de apostar no mercado americano

Os EUA são um mercado seguro, aberto, liberal, com fortes incentivos ao empreendedor, competitivo, que promove a inovação e a qualidade. É um mercado difícil, mas que, ao ser uma aposta bem-sucedida, é altamente recompensador.

Como todos os mercados, também tem as suas desvantagens. O facto de ser muito competitivo pode ser uma delas e os retornos do investimento não são imediatos, podendo passar-se muitos anos até se alcançar resultados satisfatórios. A sociedade americana é também muito litigante: qualquer coisa é motivo de processo judicial e a justiça nos EUA é muito cara, o que pode prejudicar seriamente uma empresa em processo de expansão. Existe também o Buy American Act, que se prende com uma questão cultural, presente no patriotismo tão conhecido dos americanos, que os leva a comprar sobretudo aquilo que é produzido no seu país.

“A Brisa está nos EUA há 10 anos. Só em 2016 tiveram um grande contrato. Estiveram lá uma década a estabelecer contactos”

Graça Didier, Secretária Geral da Câmara de Comércio Americana em Portugal

A conclusão que se retirou desta acção foi a de que o mercado americano é muito difícil, mas que compensa. Começar a exportar para os EUA é um salto qualitativo e quantitativo muito grande para qualquer empresa. Isto porque os valores de negócio normalmente são muito elevados e posteriormente porque anunciar que se tem negócios nos EUA é uma porta de entrada quase garantida para outros mercados.

No final houve espaço para um convívio, em que os participantes no Workshop fizeram networking e partilharam ideias, ao mesmo tempo que degustaram vinhos da Capital Europeia do Vinho – Torres Vedras e Alenquer e da Quina Vinhos.

Disponibilizamos aqui as apresentações em formato PDF da Câmara de Comércio Americana em Portugal e da Euroatla.

Próximas Acções

29 de Junho – 10h00 – Fundação AIP

Business Fórum Namíbia, com a presença de 36 empresas e entidades do país disponíveis para contactos bilaterais, dos mais diferentes sectores: indústria manufactureira, agricultura, logística e transportes, turismo, tecnologias e informação, energia, gestão de resíduos e construção.

Inscrições em breve.

Sabe porque é que deve investir nos EUA, a maior economia do Mundo?2018-06-15T11:57:29+00:00

Academia da Exportação – o apoio às empresas portuguesas no processo de exportação

No âmbito do novo projecto de apoio à internacionalização das empresas portuguesas, continuam a realizar-se, na Fundação AIP, acções de formação personalizadas que visam elucidar sobre os processos de verificação de conformidade aquando da exportação do produto para diferentes mercados fora da União Europeia.

Após a primeira Academia de Exportação sobre Certificação de Luminárias para os Estados Unidos da América, Canadá e Brasil, realizou-se hoje, a Academia de Exportação sobre o processo de exportação para a Arábia Saudita e para os seguintes Países do Golfo (Kuwait, Bahrain, Qatar, Emirados Árabes Unidos, Omã e Iémen), com a formação de Anabela Gonçalves e Liliana Louro da BIVAC Ibéria do Grupo Bureau Veritas.

Nesta sessão de formação participaram quatro empresas, de sectores distintos: Neutroplast, produção de embalagens plásticas para a indústria farmacêutica, Pirâmide Bonus, materiais de construção, Oli Sanitários, dedicada à indústria de equipamentos sanitários e a TCR, do sector alimentar.

Os motivos de participação destas empresas na acção de formação foram comuns: a necessidade de aprender um pouco mais sobre a exportação, especialmente para mercados cuja regulamentação é tão diferente da que vigora na União Europeia.

A acção é dirigida de forma personalizada às empresas presentes, tendo em conta a especificidade do sector e abordando os requisitos que são necessários para que o produto possa ser exportado.

Confira aqui o testemunho da Oli Sanitários sobre a participação da empresa na Academia de Exportação:

Próximas Acções – Inscreva-se aqui!

Outubro (dia a definir)

Requisitos para a exportação de têxteis e calçado para a China

  • Anabela Gonçalves, Bureau Veritas Consumer Products
  • Responsável Técnico do Bureau Veritas China Produtos de Consumo (a ser nomeado)

A China é um mercado interessante para a indústria Portuguesa do Têxtil e Calçado, pelo acentuado crescimento de consumo que continua a registar. Os factores críticos de sucesso para este mercado incluem um conhecimento aprofundado sobre a rede local de distribuição, os hábitos dos consumidores e os requisitos regulamentares aplicáveis, aos quais poderão ser muito distintos dos requisitos Europeus. As normas Chinesas aplicam-se aos produtos produzidos e importados para a China e são alvo de frequente controlo pelas entidades Governamentais.

Academia da Exportação – o apoio às empresas portuguesas no processo de exportação2018-06-07T16:07:32+00:00

Como fazer negócios nos Estados Unidos da América

Fundação AIP promove a internacionalização das empresas portuguesas para o mercado americano

A Fundação AIP organiza no dia 12 de Junho, com início às 10h00, na Fundação AIP – Junqueira, o Workshop Como Fazer Negócios no EUA: desafios e oportunidades, com a colaboração da Câmara de Comércio Americana, o patrocínio da Euroatla e o apoio das Águas Fonte Viva, Torres Vedras e Alenquer – Capital Europeia do Vinho e Quina Vinhos.

O objectivo é dar a conhecer, através de testemunhos reais de oradores com experiência e conhecimento do mercado dos EUA como o mesmo funciona, a sua economia e as oportunidades de negócio existentes. Permitirá igualmente o know-how do mercado, com a presença de empresas portuguesas já presentes neste país, bem como será o espaço ideal para que as empresas aumentem a sua lista de contactos e desenvolvam uma rede de networking.

Esta sessão contará com as intervenções de Graça Didier, Secretária Geral da Câmara de Comércio Americana em Portugal, que abordará as oportunidades, condicionantes e particularidades de se investir no mercado americano e também de Ana Gonçalves, Business Director da Euroatla, que se dedicará à componente técnica do processo de exportação: a logística de recolha e o “last mile”.

No final da sessão haverá espaço para as empresas presentes desenvolverem novos contactos, durante a degustação de vinhos.

As inscrições estão abertas até dia 11 de Junho. Inscreva-se em:

 

Organização:

Colaboração:

Patrocínio:
 

Apoios:

Como fazer negócios nos Estados Unidos da América2018-06-04T16:51:07+00:00